Meu passado me condena, admite Luís Fabiano

Meu passado me condena, admite Luís Fabiano

Ao peitar o árbitro Luís Antônio da Silva Santos no clássico entre Flamengo e Vasco, no domingo (26), o atacante Luís Fabiano foi punido mais uma vez com cartão vermelho. Seu currículo como jogador envolvido em polêmicas é bastante amplo e teve início numa semifinal da Copa Sul-Americana, em 2003, quando defendia o São Paulo. Naquela oportunidade, acertou uma ‘voadora’ num adversário do River Plate.

Aquele jogo seguiu para os pênaltis e o São Paulo acabou eliminado em pleno Morumbi. Luís Fabiano seria um dos cobradores. Depois da partida, disse que não estava arrependido de defender seus colegas de time durante confusão com os argentinos.

Já na Europa, pelo Espanhol de 2007, atuando pelo Sevilla, Luís Fabiano protagonizou outro episódio de indisciplina. Trocou socos com o uruguaio Diogo, do Zaragoza, assim que terminou um jogo entre as duas equipes. Ambos foram expulsos e Luís Fabiano recebeu críticas severas da imprensa local. Ele ainda teve de ser atendido pelos médicos de seu clube por causa de um inchaço no rosto, consequência da briga.

Também pelo Espanhol, no mesmo ano, num confronto do Sevilla com o Real Madrid, Luís Fabiano foi expulso sem sequer entrar em campo. Enquanto se aquecia à beira do gramado, ele ofendeu repetidamente o assistente nos seguintes termos – “filho da p., filho da p.”, conforme relatou o árbitro na súmula. Mais uma vez, houve uma enxurrada de críticas à sua atitude.

A fama de impaciente e encrenqueiro também atingiu sua passagem pela Seleção. Em partida pelas Eliminatórias do Mundial, em 2009, contra o Uruguai, simulou ter recebido uma falta do goleiro adversário e acabou punido. Como já tinha o cartão amarelo, seguiu mais cedo para o vestiário, em Montevidéu.

De volta ao São Paulo, sofreu outra expulsão infantil em jogo pelo Brasileiro de 2012 contra o Atlético-MG. Ao ser punido com cartão amarelo por falta desleal, exagerou nas reclamações e saiu de campo antes da hora, deixando o técnico Emerson Leão muito contrariado. O então presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, decidiu multar o atacante por causa do incidente.

No mesmo ano, de novo pela Sul-Americana, deu um pontapé no zagueiro Donatti, do Tigres, depois de ter sido atingido por ele com um soco no braço. A partida, disputada na Argentina, era a primeira da final da competição, cujo título ficou com o clube paulista. Expulso mais uma vez e irritado com sua fama, o são-paulino disse que pensava em abandonar o futebol.

Agora, Luís Fabiano e o Vasco vão esperar o julgamento do Tribunal de Justiça da Federação de Futebol do Rio para saber qual o tamanho da pena. Se ele for denunciado por agressão ao árbitro, pode ser condenado no mínimo a 180 dias de suspensão.

terra

27/03/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *