De tratador de cisnes a provador de sapatos: confira cargos curiosos ligados à Elizabeth II

Há funções relacionadas à Rainha que existem desde 1215

A rainha Elizabeth II emprega muita gente. Muitos dos cargos no Palácio de Buckingham, no Castelo de Windsor e outras propriedades reais são os esperados, como domésticos, jardineiros e chefs. Mas há funções que são específicas. Você sabia que há alguém dedicado a tratar dos cisnes? Ou que a monarca tem um funcionário para cuidar de seus selos?

Listamos os 15 trabalhos mais surpreendentes que se pode exercer quando se está “on her majesty’s service”. Muitos deles nos fazem esquecer que estamos no século XXI, por isso a lista é cronológica.

Mestre Barqueiro (1215)
Estar encarregado dos barcos reais é majoritariamente um papel cerimonioso. Entretanto, especialmente no século XVIII, havia muito a ser feito, já que o soberano viajava pelo Rio Tâmisa regularmente. O mestre barqueiro é responsável por 24 remadores reais, que recebem um salário anual de £3,50. Imagina-se que eles tenham outros trabalhos.

Mestre do Cavalo (1360)

O Mestre do Cavalo é outra posição honorária, mas esta pertence a Samuel Vestey, o terceiro Barão Vestey. Ele deve estar presente em todas as cerimônias em que a rainha precise montar um cavalo ou em que ela seja carregada em uma carruagem, como no dia da abertura do Parlamento. Ele também é o responsável por inspecionar o estábulos reais.

Mestre da Música (1625)

Esta função é dada por dez anos a um músico proeminente. Atualmente, a compositora Judith Weir, que foi designada em 2014 após Sir Peter Maxwell Davies. O cargo foi abolido em 1649, quando o monarca foi deposto, mas reinstituído em 1660. Não existem obrigações específicas, mas o Mestre Musical pode compor para cerimônias reais ou de Estado. Weir, por exemplo, fez os arranjos para uma versão especial do Hino Nacional Britânico na ocasião do segundo sepultamento de Ricardo III, em março de 2015.

Astrônomo Real (1675)

O Astrônomo Real sênior é, hoje, Martin Rees, o Barão de Ludlow. Ele está no cargo desde 1995 e, embora tenha um título honorário, espera-se que esteja disponível para consultas sobre assuntos científicos.

Botânico de Sua Majestade (1699)

O professor Stephen Blackmore foi designado Botanista de Sua Majestade em 2010. A função foi criada em 1699, mas desde 1956 é honorária e ocupada por alguém com paixão pela jardinagem.

Escultor para a Escócia (1838)

Sir John Robert Steell foi o primeiro Escultor para a Escócia, nomeado pela rainha Vitória. Um de seus trabalhos mais conhecidos é a escultura do Duke de Wellington, que está na Princes Street, em Londres. Função permanente na realeza desde 1921, tem como atual escultor Alexander Stoddart, que trabalha arte figurativa em argila.

Gaitista da Soberana (1843)

Posição criada pela rainha Vitória em 1843. O gaitista-de-fole deve tocar debaixo da janela da rainha toda semana, às 9h da manhã, por cerca de 15 minutos, quando ela está nos palácios de Buckingham ou Holyroodhouse ou ainda nos castelos de Windsor ou Balmoral. É considerada uma função muito prestigiosa, e apenas 15 gaitistas-de-fole ocuparam o cargo desde sua criação. O atual dono do posto é Scott Methven, da família Argyll and Sutherland, das Terras Altas Escocesas. A rainha-mãe tinha o seu próprio gaitista-de-fole até sua morte, em 2002.

Mantenedor dos Selos Reais (1890)

A rainha Elizabeth II não é uma apaixonada por filatelia, como era o seu pai, George VI. Mas ela acredita ser importante preservar a coleção que herdou. Desde 2003, Michael Sefi é o encarregado dos selos reais e viaja pelo mundo adquirindo exemplares.

Inspetor das Fotos da Rainha (1972)

Desmond Shawe-Taylor é o atual Inspetor, nomeado em 2005. Entre as suas responsabilidades estão o cuidado e a manutenção de todas as pinturas que estão nas paredes dos palácios.

Guardião dos Cisnes (1993)

Havia apenas um cargo, o de Protetor dos Cisnes, mas, em 1993, foi decidido que um homem apenas não era suficiente. Eram obrigações demais, então elas foram divididas entre o Guardião dos Cisnes e o Marcador dos Cisnes. Atualmente, o professor Christopher Perrins responde pela primeira posição, e David Barber pela segunda. Sua principal responsabilidade é o censo anual dos cisnes do Rio Tâmisa, um processo conhecido como “swan-upping”. No passado, isso significava separar um animal para o banquete real. Como comer cisnes caiu em desuso, a tarefa hoje é contá-los e checar sua saúde.

Sargento da Bandeira (1997)

Desde 1997, a Sargento da Bandeira é o responsável hastear e baixar a bandeira do Reino Unido quando a rainha não está nos palácios. O trabalho mudou depois da morte da princesa Diana. Na ocasião, a bandeira não foi colocada a meio mastro, o que gerou críticas à realeza. Desde então, a bandeira é hasteada mesmo quando a rainha não está em casa; fica a meio mastro quando integrantes da família real morrem ou quando há um período de luto nacional, como após um ataque terrorista. O atual Sargento da Bandeira é Nathan Bowen.

Harpista Oficial do Príncipe de Gales (2000)

Função que foi descontinuada durante o reinado da rainha Vitória, mas trazida de volta no ano 2000 pelo príncipe Charles. Como a harpa é parte importante da tradição galesa, ele acredita que a posição oficial pode reforçar a popularidade e a admiração pela harpa como instrumento musical. Anne Denholm é a Harpista Oficial desde 2015.

Calçador dos Sapatos Reais (2000)

No staff responsável pelo guarda-roupa da rainha há uma pessoa que se dedica a experimentar os sapatos da monarca. O stylist de Elizabeth II explicou que essa é uma função importante já que ela não pode sentir desconforto ou qualquer dor nos pés durante os eventos de que participa. Se você tivesse que usar saltos aos 90 anos apreciaria ter alguém para experimentar seus sapatos.

Cortador Oficial

Se há uma coisa que não se deve esperar que a rainha faça é cortar o próprio Sunday roast. Por isso, ela tem alguém para fazê-lo em ocasiões especiais. Atualmente, o conde de Denbigh and Desmond é o Cortador Oficial, uma função que existe desde que a família real organizou os primeiros jantares. É uma função hereditária, o que nos leva a entender que é necessário ter o DNA certo para cortar corretamente um rosbife. E não deve mesmo ser algo simples: a rainha tem um Cortador Oficial na Escócia também.

Conservador dos Relógios Reais

Há mais de mil relógios, barômetros e termômetros no Castelo de Windsor e outras residências reais. Muitos deles não são digitais, então alguém deve limpá-los, consertá-los e mantê-los funcionando. Como muitos são peças raras e caríssimas, presentes trocados entre casas reais no decorrer dos séculos, a função de Horologista Real deve ser bem antiga. O funcionário em questão deve ser um mestre em sua função para consertar peças de relógios com séculos de idade.

o globo
06/04/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *