Colecionador usa conversor de sinal digital em TVs com até 45 anos

Alceu Massini, de Santo André, tem mais de mil aparelhos de televisores de tubo que não vão mais funcionar com o sinal analógico.

O colecionador de TV Alceu Massini tem em um galpão em Santo André, no ABC paulista, um acervo de mais de mil aparelhos que estão prestes a virar peça de museu com o desligamento do sinal analógico de televisão em São Paulo e em outros 38 municípios da região metropolitana. A medida entrou em vigor às 0h desta quinta-feira (30). Quem tem TV analógica vai precisar ter conversor e a antena digital para poder ver as imagens.

Para continuar a usufruir de sua coleção de TVs com mais de 60 anos, Massini revela alguns segredos que farão com que ele consiga ver o sinal digital, de última geração, em relíquias de até 45 anos. Ele começou a colecionar os equipamentos em 1982 ao se deparar com um TV abandonada pelos avós, uma Invictus fabricada em 1956. Sem achar técnicos capazes de restaurar a televisão, ele botou a mão na massa e fez o trabalho por conta própria.

O conhecimento que ganhou com a experiência é que permite que ele consiga levar o sinal digital para os televisores antigos. “As pessoas que têm televisores antigos não precisa sair jogando fora, eu dou uma dica, se você usar um conversor RF (universal) você consegue levar o sinal digital para a TV antiga, se não tiver, basta usar um videocassete antigo, que ele vai servir como conversor. Por exemplo, eu estou vendo sinal digital em uma TV de 1972.”

Para ele, é “até charmoso misturar a essa novidade fazendo um casamentozinho com tecnologia antiga. Eu deixei para a última hora, comprei o conversor ontem [terça-feira], consegui instalar sem ler o manual, me espanou a quantidade de canais que eu ganhei, mais de 40, mas o enquadramento é muito estranho. Optei por colocar no meu televisor o padrão de formato 4:3 por causa da dimensão da tela das TVs antigas, praticamente um quadradinho. Se você colocar em widescreen [19:6] fica uma faixa de imagem que eu não gosto.”

Apesar de todo conhecimento técnico, Massini disse que não pretende mexer na originalidade dos televisores que tem em seu acervo. “Essas TVs estão originais, se eu fosse assistir o sinal digital. É aquilo que falei, é o efeito museu. A evolução é isso mesmo, até eu estou ficando obsoleto.”

g1

02/04/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *